O Book do Modelo

book joy uomo milano

O Book de um modelo é o seu bem mais precioso. Ele não é mais do que uma colecção das suas melhores fotografias.

O Book é, normalmente, pago por ti. É um bom presságio quando a agência se oferece para adiantar esse pagamento. Assim que consigas juntar algum dinheiro com trabalhos de modelo, desfazes a dívida.

Por “melhores fotografias” entenda-se:

  • As que mostram toda a tua versatilidade (jovem, adulto, comercial, editorial, catálogo, exótico, etc);
  • As que mais favorecem o teu rosto e corpo;
  • As que capturam as tuas melhores expressões;
  • As que exibem os teus mais importantes trabalhos;

O meu parceiro de viagem

O meu Book acompanhou-me sempre em todas as minhas viagens e castings. Nunca o emprestei ou deixei com um cliente.

Eu tinha uma cópia do Book enquanto o original ficava na agência. A agência era visitada por muitos clientes que procuravam caras novas para as suas campanhas ou desfiles e eu não queria deixar de ser apresentado a todas as oportunidades de trabalho.

Depois há o composite, o cartão de visita de um modelo. Um cartão, commumente A5, impresso frente e verso, com uma imagem de capa (a melhor das melhores), as tuas medidas mais importantes (perna exterior, perna interior, cintura, casaco, camisa, etc..) e 2 a 6 fotografias no verso (há inúmeras abordagens ao layout de um composite sendo esta apenas um exemplo).

Assim como no portfólio de um designer, tanto no Book como no composite, só há lugar para as melhores amostras. Qualquer fotografia menos boa poderá fazer-te perder um trabalho.

Internacional

O Book tem, normalmente, o logotipo da agência estampado na capa.

Em cada agência internacional eu tinha um Book diferente.

Na fotografia principal deste artigo podemos ver o Book da Joy Uomo, uma das melhores agências italianas de modelos masculinos.

O meu Book começou por ter cerca de 8 fotografias. Nos últimos anos eram cerca de 20. Algumas foram adicionadas, muitas foram removidas.

É caricato rever a diferença do meu Book nacional para qualquer um internacional. Somos muito mais conservadores. Bem, pelo menos na altura éramos muito mais conservadores.

Até os Books dos nossos vizinhos espanhóis davam 10-0 aos nossos em arrojo.

Em Portugal gostávamos das coisas mais direitinhas, mais arrumadinhas. Claro que havia sempre um Dino Alves, Fátima Lopes ou Luis Barbeiro para desestabilizar a ordem e as mentes mais retrógradas. Um grande bem-haja a estes Senhores da moda.

Os critérios das agências

Em Portugal, como no estrangeiro, as agências definem uma estratégia para o modelo de acordo com, principalmente, as suas características físicas e objectivos pessoais. O modelo poderá ter um bom corpo mas não querer fazer fotografias nú ou semi nú, por exemplo. O modelo poderá ser demasiado exótico para anúncios de televisão ou catálogos.

É esta estratégia, que normalmente é definida em conjunto com o modelo, que vai balizar a selecção de fotografias a constar no Book.

Eu diria que em 99% das vezes o modelo não entende nem concorda com a selecção da agência. Aqui deverão ser pacientes e confiar na experiência dos Bookers. Temos bons Bookers em Portugal.

Deverás apresentar-te como alguém razoável, com maturidade e com vontade de trabalhar.

Questões?

 

Comments

comments

Faça o primeiro comentário a "O Book do Modelo"

Comentar

O seu endereço de email não será publicado.


*